terça-feira, 19 de maio de 2015

«Manifestei a tua glória na Terra, levando a cabo a obra que me deste a realizar» João 17,1-11a.



Actos dos Apóstolos 20,17-27. 

Naqueles dias, estando Paulo em Mileto, mandou a Éfeso chamar os anciãos da Igreja.
Quando chegaram junto dele, disse-lhes: «Sabeis como me comportei sempre convosco, desde o primeiro dia em que pus os pés na Ásia.
Servi o Senhor com toda a humildade, com lágrimas e no meio de provações que me vieram das ciladas dos judeus.
Em nada que vos pudesse ser útil me furtei a pregar-vos e a instruir-vos, publicamente e de casa em casa.
Exortei judeus e gregos a converterem-se a Deus e a acreditarem em Jesus, nosso Senhor.
Agora vou para Jerusalém, prisioneiro do Espírito, sem saber o que lá me espera.
Só sei que o Espírito Santo me avisa, de cidade em cidade, que me aguardam cadeias e tribulações.
Mas por título nenhum eu dou valor à vida, contanto que leve a bom termo a minha carreira e a missão que recebi do Senhor Jesus: dar testemunho do Evangelho da graça de Deus.
Agora, eu sei que não tornareis a ver o meu rosto, vós todos entre os quais passei anunciando o Reino.
Por isso posso garantir-vos, hoje, que não me sinto responsável pela perda de nenhum de vós,
pois não me furtei a anunciar-vos todo o desígnio de Deus a vosso respeito».



Livro de Salmos 68(67),10-11.20-21. 


Derramastes, ó Deus, uma chuva de bênçãos, 
restaurastes a vossa herança enfraquecida. 
A vossa grei estabeleceu-se numa terra 
que a vossa bondade, ó Deus, preparara ao oprimido. 

Bendito seja o Senhor, dia após dia. 
Preocupa-se connosco Deus, nosso Salvador. 
O nosso Deus é um Deus que salva, 
da morte nos livra o Senhor. 




Evangelho segundo S. João 17,1-11a.

Naquele tempo, Jesus ergueu os olhos ao Céu e disse: «Pai, chegou a hora. Glorifica o teu Filho, para que o teu Filho Te glorifique
e, pelo poder que Lhe deste sobre toda a criatura, Ele dê a vida eterna a todos os que Lhe confiaste.
É esta a vida eterna: que Te conheçam a Ti, único Deus verdadeiro, e Aquele que enviaste, Jesus Cristo.
Eu glorifiquei-Te sobre a terra, consumando a obra que Me encarregaste de realizar.
E agora, Pai, glorifica-Me junto de Ti mesmo com aquela glória que tinha em Ti, antes que houvesse mundo.
Manifestei o teu nome aos homens que do mundo Me deste. Eram teus e Tu mos deste e eles guardam a tua palavra.
Agora sabem que tudo quanto Me deste vem de Ti,
porque lhes comuniquei as palavras que Me confiaste e eles receberam-nas: reconheceram verdadeiramente que saí de Ti e acreditaram que Me enviaste.
É por eles que Eu rogo; não pelo mundo, mas por aqueles que Me deste, porque são teus.
Tudo o que é meu é teu e tudo o que é teu é meu; e neles sou glorificado.
Eu já não estou no mundo, mas eles estão no mundo, enquanto Eu vou para Ti».

«Manifestei a tua glória na Terra, levando a cabo a obra que me deste a realizar»

«Dei-te a conhecer aos homens.» Estas palavras compreendem, no pensamento do Salvador, todos os que haviam de acreditar nele como membros dessa grande Igreja composta por todas as nações e da qual o salmista diz: «Dar-Te-ei graças na grande assembleia» (Sl 21,26). É verdadeiramente por essa glorificação que o Filho dá glória ao Pai, difundindo o conhecimento do seu nome entre as nações e nas inumeráveis gerações humanas. Portanto, quando Ele diz: «Dei-Te a conhecer aos homens que, do meio do mundo, Me deste», está a referir-Se ao que precede imediatamente: «Manifestei a tua glória na Terra.»

«Dei-Te a conhecer aos homens que, do meio do mundo, Me deste»: não lhes deu a conhecer o nome de Deus, mas o nome de Pai, que não podia ser manifestado sem a manifestação do Filho. Com efeito, não há nenhum povo que, mesmo antes de acreditar em Jesus Cristo, não tenha tido um certo conhecimento de Deus, como Deus de toda a criação. Porque o poder do Deus verdadeiro é tal, que não pode de forma alguma ser escondido a qualquer criatura racional que queira fazer uso do seu espírito. À excepção de um pequeno número de indivíduos, cujo carácter é verdadeiramente depravado, todo o género humano reconhece Deus como o autor deste mundo. [...] Mas o nome de Pai de Jesus Cristo, pelo qual Ele tira o pecado do mundo, não é conhecido, e é por isso que o Senhor O manifesta àqueles que seu Pai Lhe deu.






Nenhum comentário:

Postar um comentário