quarta-feira, 2 de março de 2016

Não vim revogá-los, mas levá-los à perfeição

Livro de Deuteronómio 4,1.5-9. 
Moisés falou ao povo, dizendo: «Agora escuta, Israel, as leis e os preceitos que vos dou a conhecer e ponde-os em prática, para que vivais e entreis na posse da terra que vos dá o Senhor, Deus de vossos pais.
Ensinei-vos estas leis e preceitos, conforme o Senhor, meu Deus, me ordenara, a fim de os praticardes na terra de que ides tomar posse. 
Observai-os e ponde-os em prática: eles serão a vossa sabedoria e a vossa prudência aos olhos dos povos, que, ao ouvirem falar de todas estas leis, dirão: ‘Que povo tão sábio e tão prudente é esta grande nação!’. 
Qual é, na verdade, a grande nação que tem a divindade tão perto de si como está perto de nós o Senhor, nosso Deus, sempre que O invocamos? 
E qual é a grande nação que tem mandamentos e decretos tão justos como esta lei que hoje vos apresento?». 
Mas tende cuidado; prestai atenção para não esquecer tudo quanto viram os vossos olhos, nem o deixeis fugir do pensamento em nenhum dia da vossa vida. Ensinai-o aos vossos filhos e aos filhos dos vossos filhos». 



Livro de Salmos 147,12-13.15-16.19-20. 
Glorifica, Jerusalém, o Senhor, 
louva, Sião, o teu Deus. 
Ele reforçou as tuas portas 
e abençoou os teus filhos. 

Envia à terra a sua palavra, 
corre veloz a sua mensagem. 
Faz cair a neve como a lã, 
espalha a geada como cinza. 

Revelou a sua palavra a Jacob, 
suas leis e preceitos a Israel. 
Não fez assim com nenhum outro povo, 
a nenhum outro manifestou os seus juízos. 




Evangelho segundo S. Mateus 5,17-19. 
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim revogar, mas completar.
Em verdade vos digo: Antes que passem o céu e a terra, não passará da Lei a mais pequena letra ou o mais pequeno sinal, sem que tudo se cumpra. 
Portanto, se alguém transgredir um só destes mandamentos, por mais pequenos que sejam, e ensinar assim aos homens, será o menor no reino dos Céus. Mas aquele que os praticar e ensinar será grande no reino dos Céus». 



«Não vim revogá-los, mas levá-los à perfeição»
Vimos Cristo obedecer às leis de Moisés, o que quer dizer que Deus, o legislador, Se submeteu, como um homem, às suas próprias leis. É o que nos ensina São Paulo [...]: «Ao chegar a plenitude dos tempos, Deus enviou o seu Filho, nascido de mulher, nascido sujeito à Lei, para resgatar os que se encontravam sob o jugo da Lei» (Gal 4, 4-5). Por conseguinte, Cristo resgatou da maldição da Lei os que a ela estavam sujeitos, mas não a observavam. De que modo os resgatou? Aperfeiçoando esta Lei; dito de outro modo, a fim de apagar a transgressão da qual Adão se tornou culpado, Ele mostrou-Se obediente e dócil para com Deus Pai em nosso lugar. Porque está escrito: «Como, pela desobediência de um só, muitos se tornaram pecadores, assim também, pela obediência de um só, muitos se tornaram justos» (Rom 5, 19). Connosco, Ele curvou a cabeça perante a Lei, e fê-lo segundo o plano divino da Incarnação. Com efeito, «convém que cumpramos assim toda a justiça» (Mt 3, 15).

Depois de ter tomado completamente a condição de servo (Fil 2, 7), precisamente porque a sua condição humana O agregava ao número dos que suportavam o jugo, pagou o montante do imposto aos cobradores como toda a gente, ainda que por natureza, e como Filho, estivesse dispensado disso. Por conseguinte, quando O vires observar a Lei, não fiques chocado, não ponhas no rol de servos Aquele que é livre, mas avalia pelo pensamento a profundidade de tal desígnio.


Nenhum comentário:

Postar um comentário